Notícias

  • Campo majoritário tenta impor Bernardo no debate em Curitiba

    Candidato à presidência estadual do PT, o deputado estadual Tadeu Veneri criticou o comportamento dos integrantes da chapa do campo majoritário que se retiraram do debate entre os candidatos à presidência nacional do partido, em Curitiba. “Foi uma demonstração de arrogância. A mesma arrogância com que eles conduzem o partido”, disse Veneri. O grupo, liderado pelo presidente estadual do partido, André Vargas, e o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, tentou desrespeitar as regras do debate, indicando o ministro para falar no lugar do atual presidente nacional do partido e candidato do campo majoritário, Tarso Genro, que não veio a Curitiba. Mas o acordo firmado entre todos os candidatos, no início do processo, impede a substituição de candidatos a presidente que faltarem aos debates. Irritados com a manutenção das regras do acordo, exigida pelos demais candidatos, Vargas e Bernardo abandonaram o local do debate – o auditório do Hotel Afâmia, no centro da cidade. Mas a discusão continuou com o ex-deputado Plínio de Arruda Sampaio, o ex-prefeito de Porto Alegre, Raul Pont, a deputada federal Maria do Rosário, o dirigente Walter Pomar e o militante Markus Sokol. “As normas foram decididas por todos. E somente em caso do debate das chapas é que poderia haver um substituto fazendo a defesa. Mas, hoje, era o debate entre os candidatos e não cabia a substituição. Eles sempre querem subverter as regras e enfiar goela abaixo do partido as decisões do grupo. É desta forma, de cima para baixo, que eles tentam administrar o partido”, atacou Veneri.